jusbrasil.com.br
4 de Dezembro de 2020

Luan Santana recebe incentivo de R$ 4 milhões via Lei Rouanet

Artistas que aparentemente não precisam de tanto incentivo financeiro do governo continuam pedindo (e ganhando) dinheiro do Ministério da Cultura, através da Lei Rouanet

Pragmatismo Político
Publicado por Pragmatismo Político
há 6 anos

Luan Santana recebe incentivo de R 4 milhes via Lei Rouanet

Ministério da Cultura aprovou incentivo de R$ 4 milhões para turnê de Luan Santana (divulgação)

O Ministério da Cultura aprovou um incentivo de pouco mais de 4 milhões de reais para a turnê do Luan Santana via Lei Rouanet. Não é novidade, apareceu em todo lugar.

De tempos em tempos aparecem artistas que não precisam do incentivo, ou que aparentemente não precisam, pedindo (e ganhando). Já foi Maria Bethânia, Claudia Leitte, Rita Lee, entre outros.

VEJA TAMBÉM: Tom Zé devolve cachê da Coca-Cola após 'chantagem' de fãs

A discussão também não é nova. Em geral, a comoção se faz porque o benefício, no imaginário das pessoas, só deveria ser concedido para quem precisa.

Na verdade, a Lei Rouanet não é para quem precisa. É para qualquer artista ou produtor artístico. Luan Santana é brasileiro e tem um produto artístico (a turnê) comprovado. O MinC não tem opção senão em aprovar – talvez não na sua totalidade, mas no essencial.

Tampouco importa se Luan é ou não bom cantor, bom compositor, brega, chique, bonito, feio. Se é cultura, é passível de incentivo.

Não vou entrar no mérito de como a lei deveria funcionar, ou mesmo se deveria existir. Para mim, obviamente, que deveria beneficiar só quem precisa, mas é muito complicado determinar isso. Por exemplo, a produtora Time For Fun precisa do benefício para fazer uma montagem do Rei Leão, que custou R$ 35 milhões. Mas ela precisa trazer esta peça?

Agora, o problema no caso do Luan, é o simples fato de ele ter pedido.

Luan Santana tinha, da última vez que consultei, um cachê alegado de aproximadamente R$ 300 mil reais, e uma agenda alegada de mais de 5 shows por semana.

Um parênteses: quem investiu na sua carreira foi seu pai, então a princípio não fica muito dinheiro pelo caminho.

Considere que esse número é real, e que Luan fica com R$ 200 mil de cada show. Dá 1 milhão por semana; 4 milhões por mês. Em um mês, Luan faturaria o que pediu para o MinC.

Esse é um número bruto. Pior que isso, é chutado. Pode estar bem errado (para os dois lados – pode também ser mais alto), mas deve ser próximo o suficiente para ilustrar o quanto pedir isso é absurdo, guloso, mesquinho da parte de Luan. Ainda que tenha uma cacetada de impostos, contratos extremamente complexos, deu pra entender o tipo de faturamento de que se fala.

CONFIRA MAIS: Uma tese de doutorado sobre a "degeneração da música brasileira"

E o tipo de gula necessário para pedir dinheiro de imposto, que deveria ir para hospitais, escolas, metrô, ou no mínimo para outros artistas que não tem salário de 6 ou 7 dígitos, para levar “as raízes sertanejas por meio da musica romântica” (esse foi o argumento usado para o pedido) para onde quer que seja.

Fonte: Pragmatismo Político

5 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Meu olhar osbre a Lei Rouanet
Desmitificando a Lei Rouanet e falando sobre os seus reais problemas meucantonomundo.com/desmitificando-lei-rouanetefalando-sobre-os-seus-reais-problemas/ continuar lendo

"Diante das notícias recentemente publicadas na internet e da necessidade de informar a verdade ao público e ao mercado artístico, o cantor LUAN SANTANA esclarece que jamais recebeu qualquer verba pública, nem sequer utilizou qualquer recurso advindo de projeto da “Lei Rouanet” nas suas atividades.
No ano de 2014, a empresa LS Music, empresa que agencia a carreira musical de Luan Santana, recebeu da IDEAS, agência de publicidade e de captação, que presta serviços terceirizados à LS, uma apresentação (feita pela própria IDEAS), que foi entregue ao Ministério da Cultura. A apresentação tratava-se de projeto artístico, nos moldes e condições exigidas pela Lei 8.313/2001. Referido projeto, em linhas gerais, tinha por objetivo o desenvolvimento de turnê artística denominada “O Nosso Temo é Hoje – Parte II”, compreendendo a realização de eventos exclusivos e diferenciados em 15 cidades de diversas regiões do território nacional. O projeto assegurava a distribuição gratuita de parte dos ingressos a AssociaçõesAssistenciais e Instituições responsáveis por jovens e adultos em áreas periféricas das cidades e também ingressos a preços populares, dentro do limite do Vale Cultura (até R$ 50,00), viabilizando maior acesso da população aos shows. Além disso, todos os eventos seriam providos de infraestrutura apta a permitir acessibilidade plena a portadores de necessidades especiais.

Embora o projeto tenha sido aprovado pelo Ministério da Cultura, a LS MUSIC posteriormente desistiu da sua execução, de modo que não recebeu, nem utilizou, nenhuma verba governamental nas suas atividades. O projeto foi encerrado e arquivado a pedido do próprio LUAN SANTANA no ano de 2016, sem que tenha sido captado ou utilizado qualquer recurso, conforme se verifica abaixo:

A informação é pública e está disponível no site do Ministério da Cultura:

http://versalic.cultura.gov.br/#/projetos/147328

Portanto, não é verdadeira a afirmação de que LUAN SANTANA tenha se beneficiado de recursos da chamadaLei Rouanet. Quem afirma isso, desconhece os fatos ou age de má-fé.
Recentemente, LUAN SANTANA desenvolveu e custeou – com recursos próprios – a turnê “Live Móvel”, na qual concretizou o seu objetivo de levar a música a diversos locais do território nacional e às mais variadas pessoas, sem cobrança de ingressos. Nenhum auxílio governamental foi prestado. Tudo foi idealizado e concretizado com recursos próprios e, assim, atingiu-se o objetivo, ainda que em menor escala, de levar a música a pessoas que, muitas vezes, jamais tinham assistido a um show ou não teriam condições de adquirir ingressos.
Vale salientar que ao longo de seus 11 anos de carreira, o cantor LUAN SANTANA e a LS MUSIC vêm gerando centenas empregos diretos e indiretos e recolhem anualmente milhões de reais em tributos. Além disso, revertem voluntariamente parte das suas receitas para Hospitais e Entidades Filantrópicas. Ao todo, já são mais 40 hospitais e entidades contempladas com estas doações, que totalizam mais de R$ 3.500.000,00 (três milhões de milhões e meio de reais).
Em suma, para que fique claro, LUAN SANTANA jamais recebeu qualquer recurso,apoio ou incentivo governamental. Pelo contrário, além de cumprir com suas obrigações legais e gerar empregos, reverte voluntariamente parte de seus recursos para doações em prol da população. Desde o princípio, suas atividades foram desenvolvidas e custeadas com o resultado do seu trabalho, fruto do seu amor pela música e do seu carinho para com seus fãs e o povo brasileiro." continuar lendo

então... se isso realmente for verdade (que ele fez com recursos próprios), pq não processam quem fez essas afirmações "mentirosas"? e não venham com desculpas esfarrapadas. tivesse sido eu ou outra pessoa acusada de ter utilizado essa verba tendo grana o suficiente pra bancar os shows conforme o relato acima, eu processaria mesmo sem perda de tempo. continuar lendo

O .problema é que esse dinheiro é específico para apoio cultural, se não for para o Luan, vai pra um outro qualquer e não pra saúde ou educação.
Outro reparo ao que a maioria pensa é o MinC não destina dinheiro algum, ele só autoriza que o artista (sua equipe no caso) negocie com empresas o investimento em cultura que depois poderá ser abatido do imposto devido pela empresa. continuar lendo

enquanto esse sujeito utiliza o dinheiro da lei rouanet, ao mesmo tempo compra um apartamento em Balneário Camboriú por R$ 7 milhões. se tem tanto dinheiro assim, pq precisa do dinheiro que deveria ser utilizado para os pequenos e médios artistas e não para quem já têm fortuna? continuar lendo