jusbrasil.com.br
30 de Outubro de 2020

As diferenças entre voto em branco e voto nulo

Diante da proximidade das eleições 2014, uma das questões mais comuns do eleitor é: "qual é a diferença entre o voto em branco e o voto nulo?".

Pragmatismo Político
Publicado por Pragmatismo Político
há 6 anos

As diferenas entre voto em branco e voto nulo

Nas eleições de outubro próximo serão escolhidos pelo voto popular o presidente que comandará o país de 2015 a 2018 e também os deputados estaduais, deputados federais, senadores e o governador de cada Estado. No Distrito Federal, as eleições contemplam a escolha dos deputados distritais e do governador.

Diante da proximidade das eleições, uma das dúvidas mais comuns do eleitor é sobre como vai votar.

Apesar de o voto no Brasil ser obrigatório, o eleitor, de acordo com a legislação vigente, é livre para escolher o seu candidato ou não escolher candidato algum. Ou seja: o cidadão é obrigado a comparecer ao local de votação, ou a justificar sua ausência, mas pode optar por votar em branco ou anular o seu voto.

Mas qual é a diferença entre o voto em branco e o voto nulo?

Voto em branco

De acordo com o Glossário Eleitoral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o voto em branco é aquele em que o eleitor não manifesta preferência por nenhum dos candidatos. Antes do aparecimento da urna eletrônica, para votar em branco bastava não assinalar a cédula de votação, deixando-a em branco. Hoje em dia, para votar em branco é necessário que o eleitor pressione a tecla “branco” na urna e, em seguida, a tecla “confirma”.

VEJA TAMBÉM: Conheça os 5 políticos mais ricos do Brasil

Voto nulo

O TSE considera como voto nulo aquele em que o eleitor manifesta sua vontade de anular o voto. Para votar nulo, o eleitor precisa digitar um número de candidato inexistente, como por exemplo, “00”, e depois a tecla “confirma”.

Antigamente como o voto branco era considerado válido (isto é, era contabilizado e dado para o candidato vencedor), ele era tido como um voto de conformismo, na qual o eleitor se mostrava satisfeito com o candidato que vencesse as eleições, enquanto que o voto nulo (considerado inválido pela Justiça Eleitoral) era tido como um voto de protesto contra os candidatos ou contra a classe política em geral.

Atualmente, vigora no pleito eleitoral o princípio da maioria absoluta de votos válidos, conforme a Constituição Federal e a Lei das Eleicoes. Este princípio considera apenas os votos válidos, que são os votos nominais e os de legenda, para os cálculos eleitorais, desconsiderando os votos em branco e os nulos.

Como é possível notar, os votos nulos e brancos acabam constituindo apenas um direito de manifestação de descontentamento do eleitor, não tendo qualquer outra serventia para o pleito eleitoral, do ponto de vista das eleições majoritárias (eleições para presidente, governador e senador), em que o eleito é o candidato que obtiver a maioria simples (o maior número dos votos apurados) ou absoluta dos votos (mais da metade dos votos apurados, excluídos os votos em branco e os nulos).

Aplicação nas eleições proporcionais

Já no que diz respeito às eleições proporcionais, utilizadas para os cargos de deputado federal, deputado estadual e vereador, a situação muda e os votos nulos e brancos passam a interferir no resultado das eleições. É que para ser eleito a um desses cargos, o candidato precisa alcançar o quociente eleitoral, que é o índice que determina o número de vagas que cada partido vai ocupar no legislativo, obtido pela divisão do número de votos válidos (votos atribuídos aos candidatos ou à legenda) pelo de vagas a serem preenchidas. Desse modo, quanto maior for a quantidade de votos nulos e brancos, menor será o quociente eleitoral e mais fácil será para o candidato conquistar a vaga.

SAIBA MAIS: Reação de blogueiro da Veja prova que Constituinte é o melhor caminho

É por esse motivo que muitas vezes um candidato obtém menos votos que outros e é eleito, puxado pela votação expressiva de outro candidato do partido ou pelos votos da legenda.

Assim, ao decidir votar nulo ou em branco, é importante que o eleitor esteja consciente dessas implicações.

– o 1º turno das Eleições 2014 ocorre no dia 5 de outubro e o 2º turno no dia 26 de outubro de 2014.

– de acordo com o Código Eleitoral, o voto é facultativo a maiores de 70 anos, aos maiores de 16 e menores de 18 anos e aos analfabetos.

– a exigência de maioria absoluta ocorre nas eleições para presidente, governador e prefeito de município com mais de 200 mil eleitores. Quando o candidato com maior número de votos não alcança a maioria absoluta é realizado o segundo turno das eleições entre os dois candidatos mais votados.

Fonte: Pragmatismo Político

164 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Voto branco/nulo e ficar em casa são a mesma coisa? Diria que não. Pelo menos eu ficando em casa sei que meu voto não ira pra ninguem, ao contrario dessas urnas adulteradas que mesmo anulando o voto, algum candidado pode ficar com ele! continuar lendo

Mesmo assim estaremos ajudando os safados. Diminuir o número de votos válidos, seja por abstenção, seja por votar nulo ou branco só facilita a vida deles. O jeito é escolher o "menos pior", tapar o nariz e votar nele. A não ser que se prefira o que é claramente pior... continuar lendo

Exato, e bem por isso que eu tambem fico em casa, continuar lendo

Atuando na Situação ou na Oposição, a pessoa está dentro do mesmo SISTEMA. continuar lendo

Claro que há uma diferença entre brancos e nulos, uns são roubados eletronicamente para os corruptos e outros o são para os ladrões!
Se ficarmos em casa seremos também roubados, porém em paz e consciência tranquila. continuar lendo

Vou ficar em casa. Não vou votar nos mesmos candidatos que ai estão e não vou votar em um candidato novo que não conheço. Não vou procurar o menos ruim. Acredito que deva haver uma reforma política urgente. Não existe voto de protesto, existe somente protesto e o meu será não comparecer. Quem estiver comigo responda!
Meus contatos:
[email protected]; 87 96122174 continuar lendo

O bom seria se os votos brancos e nulos fossem contados para anular a eleição,ou seja, se o total de brancos e nulos fosse superior aos validos, a eleição seria anulada e seria convocada outra com candidatos diferente. visando a insatisfação da população. assim a democracia estaria realmente certa. continuar lendo

Thiago, se formos considerar a possibilidade de fraude da urna eletrônico (que eu concordo que existe), então também não vai adiantar ficar em casa, pois poderemos ter a surpresa de descobrir que nosso título de eleitor votou sozinho. Uma pessoa me "disse" que foi até um cartório eleitoral para justificar por não ter votado, e lá foi informada que constava que ela compareceu, e não precisaria justificar. Será? Estamos perdidos! continuar lendo

Em princípio, sou contra o voto em branco e o voto nulo. Devo dizer que todo o cidadão brasileiro tem o dever de votar. Somente participando da eleição é que se vai aprimorar o estado democrático escolhido para o país. A omissão, pelo voto em branco ou pelo voto nulo, em nada contribui para a grandeza e o desenvolvimento do povo brasileiro. continuar lendo

O cidadão brasileiro tem a obrigação de votar, não o dever de votar. Em uma democracia plenamente estabelecida, o voto é facultativo, dependendo da consciência e da vontade de cada indivíduo de se ver plenamente representado em um órgão deliberativo. Considero obrigação por não ser facultativo, e pelas (ridículas mas existentes) sanções impostas a quem não vota. Embora inócuos, os votos brancos e nulos também se justificam por se tratarem de indiferença ou protesto, respectivamente, com os candidatos ali presentes.
Ser obrigado a votar é contra o livre arbítrio de cada um , que só se pode manifestar de três maneiras possíveis, sendo duas delas inutilizadas pela redação da lei. continuar lendo

Se é democrático senhor João Oracy Marques, votar deve ser livre e não obrigatório. Se no meu entender não há candidato que atenda a ansiedade do povo, logo não há que se comparecer para eleger um candidato cuja rejeição é predominante. Sou contra a obrigatoriedade do voto. E mais, o sistema eleitoral brasileiro é uma fraude, já que a urna eletrônica é passível de adulterações onde o voto nulo ou branco pode sim, ser computado a um candidato de forma sorrateira veja: http://www.youtube.com/watch?v=DaVOAq1Tu34 Já passou da hora de acabar com o voto obrigatório e também com essas urnas eletrônicas (que são vulneráveis). Duas situações: Primeira - Nos países de primeiro mundo o voto é livre, Segundo - o único país do mundo que detém o sistema de urnas eletrônica é o Brasil, e piadas é o que não faltam a esse sistema horroroso, indecoroso de eleições. continuar lendo

Voce estâ enganado JOão Oracy. Em vários países civilizados o voto não é obrigatório. Somente os cidadãos conscientes, politizados, entendedores do país, com um nível cultural aceitável, é quem deveriam votar. Assim se formaria uma elite eleitora com resultados positivos, capazes de levar o País ao desenvolvimento que você menciona. As eleições brasileiras não são nada democráticas como você imagina. Depois de muitos conchavos, alianças espúrias, e muita safadeza. Se apresentam dois candidatos. Ora, seu não gostar de nenhum? Devo escolher o menos pior? Você. A rigor o voto aqui não é obrigatório, porque há a possibilidade do voto em branco. A presença obrigatória do eleitor na votação, é motivo da corrupção, voto de cabresto, curral eleitoral. Como considerar eleições democráticas, quando o deputado que vc escolheu muda de partido sem lhe pedir permissão? Ja pensou no voto distrital, no sistema parlamentarista de governo? Na separação em Estado e governo? pense nisso. Com certeza, vc vai mudar de opinião. continuar lendo

até hoje em que modificou o nosso país com o voto, o voto não muda nada pois a maioria dos políticos estão concuminados entre si depois das eleições uns arrumam "empregos" aos outros, são até bem ensaiados e na época das eleições brigam entre si, se denunciam, mas depois continua a mesma coisa, pobre brasil, ainda consegue sobreviver com tantas prostitutas politicas que só se aproveitam dele. Até acredito em pessoas bem intencionadas, mas o sistema esta corrupto. Somente com o voto do protesto é que podemos mudar o país. continuar lendo

Eu nasci aqui e resido aqui, mas, não sou cidadão e não sou brasileiro. Sou, apenas, uma pessoa que utiliza um teto para se abrigar em um local territorial. Percebes a diferença?
Provavelmente o senhor não leu o questionário publicado na edição anterior pela senhora Nelci.
Não estou disposto a aderir ao sistema de opressão imposto por políticos, empresários, educadores e religiosos, exercido há milhares de anos, felizmente desnudado a público. Espero que o questionário seja espalhado por todo território que os políticos e militares definiram como sendo "Brasil". continuar lendo

O Jairo Braz de Souza tem minha concordância em seu texto. Costumo dizer que nosso sistema eleitoral é perverso. O senso comum de que "devemos saber votar" é extremamente equivocado. Invariavelmente são as mesmas raposas no pleito eleitoral ou alguns de seus "herdeiros" eleitorais. Há parlamentares que têm orgulho em dizer que está no seu 3º, 4º, 5º mandato. É um vício pior que um câncer. continuar lendo

Laise de Farias, muito bem! E acrescento, "não votar também é um direito", não reconhecido. Não me acho em condições de votar, não conheço candidato que vá nos representar com dignidade, prefiro não votar. Vocês se lembram dos candidatos em que votaram, o que eles fizeram, o quanto eles trabalharam em prol do nosso povo? continuar lendo

Toda razão ao Jair Francisco Vieira.
Somos somente uma multidão sobre uma extensão de terra, não somos e jamais fomos Nação, somos e continuaremos sendo republiqueta espúria e o voto é mera maquiagem para gringo pensar que somos um povo.
Não temos Lei, não temos vontade, não temos identidade, nem mesmo as piores ideologias políticas vingam nesse território desnudo e apático, cada um faz o que quer esperando que sobreviva a mais um dia.
Uma minoria explora e a massa restante é explorada, vivemos de ilusão, de carnaval, de futebol degradado e de bandidagem.
Aí aparece um paraquedista e diz que a solução é o voto, vai morder seu pai ...... continuar lendo

A questão é bem mais complexa do que exigir que todos votem. O sistema de hoje, pretensamente democrático, faz com que votemos naqueles candidatos que nos são 'impostos', digo, apresentados pela situação e oposição, ou seja, eles nos dizem que podemos escolher democraticamente quem vai governar, mas somente dentro da margem de escolha que eles permitem, ou seja, no candidato indicado para concorrer, A ou B. Tudo bem, a isto dão o nome de democracia representativa, mas percebem que nossas escolhas são limitadas?

Talvez para não dar legitimidade ao sistema, expressando discordância para o que aí está, devemos votar nulo ou branco, talvez. O não votar não significa alienar-se da política.

Em se tratando de eleições proporcionais, deputados, senadores etc., parece que a questão muda de figura, pois se anularmos ou votarmos em branco o voto é utilizado no coeficiente, ou seja, desculpem pelo linguajar, mas se correr o bicho pega e se ficar o bicho come. continuar lendo

Voto Facultativo!!! continuar lendo

Gostaria que a Justiça Eleitoral transformasse os votos nulos em votos válidos, negativos mas válidos. Afinal se nenhum dos candidatos presentes nas eleições me convencem porque tenho que votar no famoso "menos ruim"?
Cansei disso, ficamos brincando de trocar um ruim por um menos pior, um mais ou menos por um menos ou mais, isso é ridículo, e como bem colocaram algumas pessoas aquo em seus comentários, os políticos atuais não me, representam!
E por não ter representatividade adoraria poder me representar dizendo não a todos eles. continuar lendo

Concordo contigo. Estou lhe dando um voto continuar lendo

É justo e lógico. Ora, se eu sou obrigado a votar, faço parte do eleitorado e portanto minha manifestação conta sim. Até acho viável entrar com uma ação nesse sentido, exigindo que a manifestação (no caso, um voto nulo, branco ou ausência) seja computada no levantamento. Duvido que um bom advogado não consiga levar adiante esta tese. Como uma lei quer me punir (em caso de ficar em casa durante a eleição) com uma multa ou algum impedimento, se minha manifestação (de me negar a votar) não foi computada? E se pode acrescentar, que meu repúdio a votar acaba favorecendo os candidatos que precisam de quociente. Ou seja, eu não quero votar nos candidatos e acabo votando, sem querer... porque faço parte dos que interferem no pleito, pois que reduzem o quociente... continuar lendo

Discussões tolas! Será que vocês são tão ingênuos! Toda urna eletrônica é um equipamento programado. Se é programado, tanto faz votar nulo, em branco ou em qualquer candidato, que a mesma já está programada para o resultado final. Por acaso tem como você checar se seu voto foi realmente para o seu candidato desejado? Por que nos países de 1º mundo não existe urna eletrônica? Claro! Eles sabem que são fáceis de ser manipuladas. Abram os olhos! continuar lendo

E agora com o voto biométrico então... continuar lendo

Abra; se eu pudesse votaria mil vezes no seu comentário.
Infelizmente para cego e para quem não quer ver não resolve abrir os olhos, continuar lendo

Porque será que depois da implantação da urna eletrônica TODOS os partidos pararam de reclamar dos resultados das eleições?
Porque será que a mídia não pública mais escândalos sobre fraude nas eleições?
Porque será que os candidatos não reclamam do resultado das eleições?
Vida longa para a urna eletrônica. continuar lendo